1 – As vidas passadas te influenciam, seja de que século for.

Nosso inconsciente é atemporal. Isso quer dizer que ele traz informações para hoje que precisam ser trabalhadas, e não discrimina de qual época elas são. Algo que nos aconteceu na infância pode nos afetar tanto quanto algo que aconteceu no século 1 antes de Cristo.

Os sintomas que trazemos – como doenças, desajustes emocionais, atritos com determinadas pessoas, fobias, ideias fixas e limitações – são sinais do que vivemos no passado e do que precisamos trabalhar hoje.

 

2 – Na verdade, todos nós lembramos das nossas vidas passadas.

O sintoma é como se fosse um lembrete vivo. Sabe aquela pessoa que você não suporta, sem nenhum motivo? Normalmente o motivo está lá atrás. Mesmo que você não lembre o que aconteceu, você sabe que tem algo errado.

O mesmo vale para o corpo físico. Você pode ter, por exemplo, uma dor de cabeça recorrente. Esse sintoma pode ser fruto de uma vida em que você se matou enforcada, ou de outra que levou um tiro na cabeça. Sua mente consciente não sabe, mas o corpo sabe.

 

3 – Qualquer problema atual acontece para a nossa evolução.

Pode parecer injusto perder alguém jovem em um acidente trágico, ou alguém aparentemente saudável morrer com um câncer fulminante.

Porém, olhando pela ótica espiritual, a pessoa que morreu no acidente pode ter encerrado sua caminhada aqui e estar preparada para uma nova missão no astral ou em uma próxima vida, sendo desnecessária sua permanência aqui.

Já a pessoa com câncer pode ter tido uma série de vidas com erros graves, como prática de magia negra, desvios comportamentais, e precisava de uma doença grave para extirpar tudo que aconteceu antes. Apesar do sofrimento, ela morre e consegue se livrar de uma tonelada de lixo psíquico antes de ir.

São exemplos, mas de forma geral funciona assim: ninguém tem um problema ou doença por acaso; e ter o problema e a doença, sob uma perspectiva espiritual, não é algo ruim: é depurador.

 

4 – Todos trazemos obsessores de nossas vidas passadas

Invariavelmente já tivemos conflitos com várias pessoas no passado. O que diferencia uma pessoa de outra é o grau de pendências trazidas.

Isso explica por que muitas pessoas passam por diversas desobsessões e não melhoram: o que precisa ser acessado para tratamento não está na vida atual, está no passado.

O mesmo vale para magias feitas no passado: elas geram um magnetismo que precisa ser acessado e desfeito, e que causa diversas travas na vida atual.

 

5 – Nossas vidas passadas trazem influências, mas é preciso viver o hoje

Tem gente que me procura curiosa para saber em que época viveu, em que lugar etc. Isso não é relevante. O tratamento é sempre clínico e voltado para harmonizar o que precisa de ajuda.

Na verdade, o que fomos define o que somos hoje, mas não devemos nos apegar a que fomos. Isso pode trazer mais sintomas.

A grande importância do passado é entender a nossa base. Hoje é o palco que temos para resolver as nossas pendências e problemas.

Entender a base é tão fundamental como viver o que é necessário hoje.

 

Camila Sampaio
Terapeuta de vidas passadas, criadora das técnicas Captação Anímica e Mapeamento Global.
Especializada em atendimentos à distância. Contato: camilaregressao@gmail.com

Comentários

comentários